Sunday, March 22, 2009

c`alma

todas as promessas têm prazo de validade ou podem ser recicladas 
assim como todos os fantasmas oscilam à noite 
não durmo nunca
abstenho
flutuo 
anestésico para cavalos sob as luzes do tráfego num final de tarde laranja
desviando de jornais e sacolas plásticas de supermercados nas calçadas 
nas janelas dos prédios 
onde nada reflete 
nos azulejos trincados 
nas faces de uma moeda enferrujada 
um milhão de coisas pela metade 

ou em partes falhas

só vejo você. 

7 comments:

Adriana said...

Pô, Carcarah, essa paixão tá durando...e mais um lindo e urbano poema para saciar os olhos e o coração.

ninguem said...

Molto bono caraio!

Bianca Rosolem said...

Eu reencarnei meu antigo blog por esses dias, e moderei uns cometários antigos e resolvi vir aqui xeretar... Gostei demais dessa poesia, do título, parece que está tudo absolutamente escrito.

Ainda bem que isso quase nos salva muito às vezes.

Abs,

Bianca

sueli said...

Noites ... podem ser frias, chuvosas ou até mesmo muito quentes, não tem nada melhor do que andar sentindo a brisa da madrugada ... esperando que algo aconteça ou que encontre alguém especial como vc ...
Bjus

Carlos Carah said...

ei, Bianca,
quanto tempo, han?

eu andei lendo umas coisas que você escreve naquele outro blog. gostei bastante.

espero que esteja bem.
um beijo,
cc

::
e Sueli,
eu não quero encontrar ninguém.
sequer me tolero sozinho.

um beijo,

cc

Anonymous said...

A solidão é a melhor amiga do homem.

breakfastnopantheon said...

oi, comentei e fiquei anonymous. Priscila