Tuesday, March 10, 2009

Como sempre, passo às tardes andando pelo bairro. E, olha, têm uns caras estranhos diariamente sentados ali naquela esquina, fumando cigarros demais, bebendo cervejas à beça e vendendo drogas batizadas pra rapaziada descontrolada que aparece de fora. Talvez eles tenham problemas. Ou eles inventam problemas. Assim conseguem, não é à toa, moedas para fazerem suas suadas intéras, que se transformam em poeira e fumaça. Não importunam ninguém, de certa forma, apenas a visão de um bando de marmanjos desbeiçados tomando uma cerveja na calçada numa tarde quente causa repulsa e ódio nos nobres cidadãos comuns, algo semelhante ao que os portugueses sentiram quando chegaram ao Brasil e encontraram os índios pelados nas redes armadas em palmeiras na orla. Os vagabundos fedem o fedor do verão. E, quando estão exaltados e efusivos, mais latem que dialogam. Contudo, não criam caso. Quando passo por lá, eles gritam:

- Ei! Ei, Carlinhos! Tem um cigarro ai, mano do caraio?

Saco meu maço, tão amassado quanto a cara do Gervásio, e ofereço pra geral. Depois o isqueiro roda e volta, após certa insistência minha. Nada de novo acontece. Em lugar nenhum. Bebemos a cerveja gelada e nunca falamos de ambições ou planos. Eles aparentam não ter nada a dizer sobre eles mesmo, quanto menos eu. Por isso, falamos mal dos outros, apenas para rir de toda essa papagaiada séria que as pessoas acreditam que podem fingir ser. Nada como se fingir de alguma coisa. Só assim mesmo para se dar bem na vida. Eu quero mesmo é que se foda. E creio que esses caras também.

Afinal, que vá todo mundo tomar no olho do buraco do cu.

Gervásio levanta a perna esquerda e peida. Ninguém ri.

- Acho que vai chover – ele diz sorrindo com todos seus dentes amarelados pela nicotina e pelo crack – hein, Carlinhos?

- Sei não.

- Porra, tá dando até trovão.

5 comments:

Adriana said...

Pô, uma cena urbana comum,triste e poética. A comparação com os portugueses chegando ao Brasil, impagável. Mais um texto duca. Beijo

... de várias terras ventos cheiros sorrisos... eu e minhas rimennas procopias pretas said...

ei, muito bom! Fiquei curiosa pra saber onde é a esquina do Gervásio. inté

I.:.S.:. said...

Time passed.

Nothing happened.

More time passed.

E said...

ixi, ta me cheirando a Vai-Vai...

Anonymous said...

por outro lado, tem gente que finge ser risível e despreocupada demais. pássaros feridos. ou apenas desorientados.